Blog


23/08/2018 - Consciência Sistêmica

Start Para a Vida

Por: Carla Queiroz

Quem dá o Start para o trabalho de parto é o feto.  Ao se sentir desconfortável com a limitação do espaço e do aporte de energia vindo da placenta pelo cordão umbilical, decide que não dá mais para ficar ali, do contrário ele morre.

A mãe respeita essa decisão do Feto de nascer e o ajuda no processo do trabalho de parto, respirando fundo nos intervalos das contrações e fazendo uma enorme força de expulsão para colocar seu filho para fora de seu corpo. Esse processo é doloroso para Mãe e Feto, mas é crucial para a Vida de ambos.

O Pai tem a função de proteger essa relação de Mãe e Feto durante esse processo. Depois disso o pai continua ajudando o Recém-Nascido e depois essa criança a se preparar  para ir para a Vida. O Pai conclui o que a Mãe começou.

Quem também dá o Start para o Jovem sair de casa é o próprio Jovem, ao se sentir desconfortável com as limitações que deveriam existir na casa dos pais. Assim como o Útero o espaço na casa dos pais deveria ficar cada vez mais apertado, o representante da Energia que no caso seria o dinheiro, a fartura, o conforto, deveriam  diminuir com o tempo, para determinar a ruptura dessa relação de dependência.  O que acontece hoje é que ela só vai aumentando.

Esse processo não deveria ser dolorido para ninguém, pois ele deveria significar a chave da liberdade. Os filhos deveriam ser criados sabendo que seu tempo na casa dos pais tem limite. Se eles foram preparados para isso, tudo se torna Natural. Assim como a gestação dura 9 meses, a formação desse filho dentro de casa deveria durar 18 anos.

Os pais deveriam respeitar,  autorizar e incentivar o Filho a seguir para a Vida com o Suficiente que lhe foi dado e respirando fundo, por Amor, Expulsar o filho de casa. Deveriam dizer:  Segue filho, tenho certeza que você vai conquistar tudo que deseja, passo a passo, começando de baixo e alcançando sucesso e felicidade na Vida. 

Assim o filho vai para a Vida Feliz. Naturalmente aceita e encara os desafios de começar a vida com menos do que ele tinha na casa dos pais, mas com a certeza que será capaz de crescer e alcançar seus objetivos de vida.

Quando os pais olham com pena para isso, o filho segue com vergonha e fraco se sentindo  menos e os pais mais.

Quando os pais olham com orgulho para isso, o filho segue com honra e força, se sentindo tão bom quanto os pais.

O prazer de conquistar nossos sonhos, quando somos abençoados pelos pais a ir para Vida, propicia ao filho uma enorme força de Vida, Coragem e Liberdade.

Os filhos são como navios,  deixam o Porto seguro para singrar os mares.

Dra Carla Palhares