Blog


16/12/2020 - Leitura Corporal

As quatros dimensões da Leitura Corporal

Por: Dr Fernando de Freitas


A
primeira dimensão da leitura corporal relaciona-se com nosso passado. Todas as espécies têm uma história de vida. Então, o que vem lá do DNA dos nossos antepassados, dão nossas características. As características corporais nos falam do mundo dos antepassados. E nesse mundo o corpo foi se adaptando ao clima, a alimentação, à forma de vida etc. Os indivíduos sof rem mutações, para se adaptarem às condições a que foram submetidos, e ao longo do tempo, isso se manifesta em seus corpos.


Ao analisar as características f ísicas dos indivíduos, podemos ter noção das condições a que seus antepassados foram submetidos, então, só de observar o corpo, podemos enxergar como essas pessoas funcionam.


Alguns estudos em ossadas, conseguem identificar as regiões de origem desses corpos. Os brevilíneos, possuem corpos mais largos e mais achatados, esse tipo se desenvolveu nas regiões mais f rias, porque precisava ter as extremidades menores, o centro maior para dar um aquecimento melhor a todo corpo. Ao contrário dos longilíneos,que viveram em lugares muito quentes, esses corpos precisam dissipar mais o calor.


Na segunda dimensão da leitura corporal relaciona-se com o mundo intrauterino. Como os gametas, óvulos e espermatozoides se unem e formam o ovo. Aqui, vamos adentrar no universo intrauterino, onde o corpo se desenvolverá e ganhará moldes, para se adaptar ao mundo aqui fora. Lembrando que o modelo de mundo aqui fora, é o mundo interno da mãe. Dependendo de como a mãe direciona, o colorido da dinâmica com o mundo, a criança vai desenvolver mais ou menos, algumas das camadas para se adaptar melhor. É fato que esse novo ser, não vai perder as características dos antepassados, mas o seu corpo vai sof rer influências e se moldar para o mundo que a mãe está oferecendo para ele.


Na terceira dimensão, extremamente importante, se relaciona ao mundo da infância. Nesta fase, o indivíduo vai passar por muitas experiências de conexão com as pessoas e com a vida. Assim, a criança vai se moldando, como uma segunda modelagem, no mundo da infância. Aqui, o indivíduo passa pelas fases oral, anal e genital, e adquire várias características, várias dinâmicas, que vão mandá-lo para o mundo.


Na quarta dimensão, é importante saber que o adulto precisa conhecer estas dinâmicas, para alimentar ou bloquear uma série de características que vieram das fases anteriores. Assim, ele será capaz de administrar as histórias que ele carrega, selecionar as características boas, eliminar ou diminuir o máximo possível às experiências negativas. Deixar no passado e na família de origem, aquilo que não serve para ele, na família atual.





Fernando Freitas



Instagram

Facebook

YouTube